Straight Outta Compton – Crítica

0 votes, average: 0,00 out of 50 votes, average: 0,00 out of 50 votes, average: 0,00 out of 50 votes, average: 0,00 out of 50 votes, average: 0,00 out of 5 (0 votes, average: 0,00 out of 5)
You need to be a registered member to rate this post.

 

Quem Vai Sobreviver na América?

 

straightouttacompton-pipocaeguarana

 

Direção: F. Gary Gray

Elenco: O’Shea Jackson Jr., Corey Hawkins, Jason Mitchell, Paul Giamatti

Roteiro: Jonathan Herman e Andrea Berlof


Nota: 2,5 de 5 estrelas


Começando do fundo e chegando ao topo; todo mundo gosta de uma boa história de superação. Acompanhamos a jornada do herói, partindo de suas origens humildes, quando ele era um jovem claramente especial em algum sentido, mas incompreendido pelo mundo, e não possuía nada além de um sonho, passando pela sua ascensão pessoal, culminando no desejado sucesso final; sempre movido por uma determinação inabalável, uma sede insaciável de superar os obstáculos da vida. Histórias assim nos fazem bem; mostram que tudo é possível quando a vontade é grande o suficiente e o sonho vale a pena—e mesmo que isso não seja tão verdadeiro assim, não há mal algum em um pouco de liberdade criativa por parte dos filmes de vez em quando.

Straight Outta Compton: A História da N.W.A. é uma clássica história de superação: o filme conta sobre a formação do grupo N.W.A. e sobre como eles revolucionaram a indústria musical no final da década de oitenta e início da década de noventa. Composto por Eazy-E (Jason Mitchell), Ice Cube (O’Shea Jackson Jr.), Dr. Dre (Corey Hawkins), MC Ren (Aldis Hodge) e DJ Yella (Neil Brown Jr.), a N.W.A. era um grupo de hip-hop e rap que teve suas origens na cidade de Compton, no estado americano da Califórnia. Compton é uma das cidades mais violentas dos Estados Unidos e a juventude local se vê diariamente presa entre a barbaridade das gangues de rua e dos traficantes de drogas, de um lado, e da repressão e agressividade policial do outro; é uma cidade literalmente marginal, vivendo na periferia de Los Angeles, tão perto geograficamente do glamour hollywoodiano, mas tão longe das fantasias do cinema americano. Crescendo em um ambiente sem esperança e sem expectativas, os jovens de Compton se voltaram para a música e começaram a produzir um som único, referente à realidade deles; uma forma de terem voz, de se expressarem, e de garantirem que a sua luta cotidiana não seria ignorada.

A história da N.W.A. merecia ser contada, a vida desses garotos merecia, sem dúvidas, um filme. Dispostos a tal tarefa, reuniram-se o diretor F. Gary Gray e os produtores Ice Cube, Dr. Dre e Tomica Woods-Wright (a viúva de Eazy-E). Os problemas do filme começam aí: ter parte dos personagens retratados no filme na lista de produtores já é o suficiente para deixar muita gente em dúvida sobre a credibilidade do projeto. Não é por acaso que Dre e Cube são vistos no filme como heróis geniais, eternamente injustiçados por empresários inescrupulosos—no caso, Jerry Heller (Paul Giamatti) e Suge Knight (R. Marcos Taylor). Não é por acaso que qualquer defeito dos jovens é convenientemente omitido, como o histórico de agressão doméstica de Dre, que é mencionado muito brevemente no filme. Não é por acaso que Ren, uma das maiores forças criativas da N.W.A., teve seu papel diminuído a uma mera presença coadjuvante, do tipo que faria qualquer espectador duvidar da sua participação efetiva no grupo.

Straight Outta Compton é uma cinebiografia e, como tanto, espera-se certas licenças criativas em relação à história. Ele não é um documentário afinal, é uma obra de ficção e, apesar de ser baseada em fatos reais, não deveria ter uma relação tão intransigente com a realidade. Portanto, qualquer liberdade artística pode ser perdoada e não deveria contar contra o filme. Mas os problemas de Straight Outta Compton vão além disso: o filme peca por uma completa falta de arestas. A história da N.W.A. deveria ser um poliedro de infinitos lados, pronto para rasgar qualquer superfície em que fosse arremessada; no entanto, ela mais parece uma esfera de isopor, incapaz de machucar o mais frágil dos alvos. Isso não é culpa dos atores, que estão muito bem no filme e—mais importante—parecem se dedicar integralmente a seus papéis. Outro ponto positivo são as cenas de violência policial contra os membros do grupo: o filme tem a oportunidade de falar sobre um problema sério, que afeta imensamente os EUA—e o Brasil—até os dias de hoje. Porém, Straight Outta Compton não parece interessado em falar sobre racismo mais do que o absolutamente necessário e esse tema é logo esquecido.

Infelizmente, a sensação final é que Straight Outta Compton é uma grande oportunidade perdida e a culpa é da equipe de produtores que, ao contar a trajetória da maior banda de gangsta rap de todos os tempos, decidiu fazer um filme sem atitude. E, para a N.W.A., isso é imperdoável.

Sobre o Autor

Daniel Lomba
Um entusiasta de cultura em todas as suas formas.

Comentários
Sia Divulga Música Tema de Mulher-Maravilha
quinta-feira, 18h05
Sia Divulga Música Tema de Mulher-Maravilha

A estrela pop, Sia, lançou nesta quinta-feira a faixa “To Be Human”,  música-tema do tão aguardado filme da Mulher-Maravilha. Como era de se esperar a música é sensacional e ainda…

Ver Post
Desculpe o Transtorno – Onde a Ficção e a Realidade se Misturam
quarta-feira, 18h37
Desculpe o Transtorno – Onde a Ficção e a Realidade se Misturam

  Desculpe o transtorno, mas precisamos assumir que Gregório Duvivier utilizou sua coluna em um famoso jornal para fazer um marketing maroto envolvendo seu novo filme. Tanto no filme, quanto…

Ver Post
Primeira Imagem de Jared Leto Como o Coringa em Esquadrão Suicida
sábado, 19h48
Primeira Imagem de Jared Leto Como o Coringa em Esquadrão Suicida

  Na noite de ontem, o diretor de Esquadrão Suicida, David Ayer, compartilhou a primeira foto do ator Jared Leto caracterizado de Coringa. O diretor fez esse gesto em homenagem…

Ver Post
Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com