Show Review: Evanescence – Vivo Rio

Evanescence no Vivo Rio

Foto: PH Rosa

Longe dos holofotes desde 2012, quando terminou sua turnê mundial, o Evanescence voltou ao Brasil, cinco anos após sua última passagem pelo país. Com shows esporádicos desde que terminou a divulgação do trabalho mais recente, Evanescence (2011), o grupo retornou aos palcos de vez em 2016. Entretanto, havia dúvidas se a banda se sustentaria apenas com os hits do passado, já que não há material inédito, e sem a presença de Terry Balsamo, segundo integrante mais antigo do Ev que deixou a banda em 2015.

Mesmo com esse cenário, o que se viu no palco do Vivo Rio no último sábado, 22, foi uma banda consistente, entrosada e pesada, despejando para o público a melhor das quatro apresentações que já fizeram na cidade. O grupo também apresentou novidades – além da guitarrista novata Jen Majura, o público pode ter um gostinho dos próximos trabalhos da banda com a inédita “Take Cover”.

Com menos de dez minutos de atraso, a banda subiu ao palco em clima nostálgico, com a clássica “Everybody’s Fool”, seguida pela recente “What You Want”, que perdeu um pouco do acento pop e ganhou mais punch nesta apresentação. Os primeiros acordes de “Going Under” fizeram o público gritar como na primeira vez da banda no país, há exatos dez anos. Se Amy Lee deixasse de cantar qualquer frase da música, os fãs seguiriam sozinhos com o coro.

“The Other Side” desacelerou um pouco a plateia, mas o gás foi retomado com a bela – e dramática – “Lithium”. A primeira novidade foi “Even in Death”, faixa do álbum/demo Origin (2000), que ganhou uma versão acústica lançada na coletânea Lost Whispers (2016) e que vem sendo executada nesta turnê. Um belo momento para os que acompanham a banda desde o início.

Um dos grandes momentos da banda no palco foi com a sequência pesada de “Made of Stone”, “Haunted” (que estava fora dos shows desde 2009) e “New Way To Bleed”, na qual Amy mostrou que ainda consegue mandar bem nos agudos. A nova “Take Cover”, que já estava sendo tocada na turnê americana, foi cantada por alguns fãs mais apaixonados e recebida com atenção por outros. A faixa relembra a atmosfera de Fallen (2003), com elementos eletrônicos e um refrão acelerado.

A bela “Breath no More” preparou o público para o que viria a seguir. Com as primeiras notas de “My Immortal” gritos tomaram conta da casa de shows e os fãs acompanharam a vocalista num belo coro. Mas o auge da noite foi “Your Star”, uma das melhores canções da banda com uma dose equilibrada de delicadeza e peso. Foi também neste momento que todos os integrantes brilharam juntos, criando uma atmosfera encantadora.

Após a ovação, Amy disse que acompanhou os fãs pelas redes sociais e atendeu aos pedidos executando “The Change”, que ficou de fora da apresentação de Brasília dois dias antes. “Call Me When You’re Sober” retomou o clima de revival do show, que seguiu com “Imaginary” e terminou com o primeiro hit da banda. Desde a saída de John LeCompt, logo depois da primeira passagem do Evanescence pelo Brasil, o rap de “Bring Me To Life” havia sido cortado dos shows, sendo cantado apenas pelo público no refrão. Mas agora, a banda reformulou e Amy cantou a famosa parte acompanhada dos fãs. Arrepiante.

Depois de deixar o palco e dar uns minutos para os fãs recuperarem o fôlego, a banda voltou para encerrar, de vez, com a clássica “Whisper”.

Dessa vez, o Evanescence deixou uma ótima impressão ao fim do show. Depois do show morno no Rock in Rio, em 2011, onde a banda se mostrou dispersa e Amy perdeu o fôlego diversas vezes, agora parece que o grupo encontrou um gás novo. Lee é sem dúvidas a força criativa, mas os outros integrantes foram fundamentais nesta retomada da banda. Com a entrada de Jen, o som parece mais resistente e a cantora ganhou um reforço de voz em algumas faixas. Já o baterista Will Hunt é o principal responsável pelo peso e impacto sonoro ao vivo. Com essa apresentação, a banda mostra que está mais forte, mesmo depois de tantos hiatos e saídas de integrantes, e o público permanece fiel – e esperando novidades, que Amy disse que devem surgir nas próximas semanas.

Setlist:

Everybody’s Fool
What You Want
Going Under
The Other Side
Lithium
Even in Death
My Heart Is Broken
Made of Stone
Haunted
New Way to Bleed
Take Cover
Breathe No More
My Immortal
Your Star
The Change
Disappear
Call Me When You’re Sober
Imaginary
Bring Me to Life
Whisper

Sobre o Autor

PH Rosa
Jornalista, autor de contos que nunca viram a luz do dia, viciado em música e comprador compulsivo de livros, discos e tênis. Se diz bom amigo, mas prefere ir ao cinema sozinho. Ama descobrir novos sons e escrever sobre canções que causam arrepio.

Comentários
Show Review: Arctic Monkeys no Rio de Janeiro
segunda-feira, 16h49
Show Review: Arctic Monkeys no Rio de Janeiro

    Começo esse post dizendo que, em todas as minhas críticas de shows, vou sempre falar do ponto de vista de uma fã, relatando minhas próprias experiências, impressões e…

Ver Post
Show Review: Silva Canta Marisa – Vivo Rio
sexta-feira, 23h10
Show Review: Silva Canta Marisa – Vivo Rio

O clima era leve no Vivo Rio na noite da última quinta-feira (6). O público que aguardava a apresentação do cantor, compositor e multi-instrumentista Silva que estreou na cidade seu…

Ver Post
Som de Segunda: Aquecimento Lollapalooza 2017 – Parte 1
segunda-feira, 21h14
Som de Segunda: Aquecimento Lollapalooza 2017 – Parte 1

Depois de um longo verão, estamos de volta com o nosso Som de Segunda. E esta semana vou começar um especial para quem quer dicas de bons shows para assistir…

Ver Post
Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com