Série Review – Black Mirror: Nosedive

1 vote, average: 5,00 out of 51 vote, average: 5,00 out of 51 vote, average: 5,00 out of 51 vote, average: 5,00 out of 51 vote, average: 5,00 out of 5 (1 votes, average: 5,00 out of 5)
You need to be a registered member to rate this post.

black-mirror

 

Vivemos em uma sociedade do espetáculo, disso não há dúvida e o episódio de estreia da terceira temporada de Black Mirror veio para mostrar isso de uma forma mais radical. Na teoria de Guy Bedord, as imagens criam um pseudomundo, podendo assim interferir no real e é exatamente isso que acontece com a protagonista Lacie Pound vivida pela atriz Bryce Dallas Howard (Jurassic World).

A atriz e roteirista Rashida Jones (Parks and Recreations) e o roteirista Mike Schur (Brooklyn Nine-Nine) fizeram uma sátira, baseada em uma história do criador da série Charlie Brooker, sobre a identidade social em um mundo dominado pelas redes sociais.

Lacie (Howard) é uma pessoa que tem a média acima de quatro e almeja mais que tudo chegar ao 4.8, para assim poder fazer parte de um seleto grupo de pessoas. A sua melhor amiga de infância Naomi (Alice Eve) é uma dessas pessoas que ela inveja. Ela então tenta uma reconciliação com a amiga, mas é claro aparecem diversos obstáculos ao longo do caminho.

Para alguns pode até parecer estranho esta ideia de pontuação por status, mas se pararmos para pensar nós de certa forma já experienciamos isso com o Uber. No aplicativo, ao final de cada viagem os motoristas são avaliados e se por acaso ficarem com uma média baixa, ele é retirado do sistema e, talvez você não saiba, mas o mesmo acontece com o passageiro.

A direção de Joe Wright nos faz até esquecer do seu fracasso em Pan e remete mais aos filmes que lhe trouxeram reconhecimento do público e da crítica, como Orgulho e Preconceito e Desejo e Reparação. O diretor de fotografia do último, Seamus Mcgarvey, voltou a repetir sua parceria com Wright e mais uma vez fez um trabalho excepcional.

Ao contrário dos outros episódios de Black Mirror, Nosedive traz uma sutileza e graciosidade para o mundo da série através desse universo luxuoso e incrivelmente acreditável. Será que os roteiristas deram uma de Matt Groening de Os Simpsons e previram o futuro?

Sobre o Autor

Igor Miranda
Consumidor de cultura 24 horas por dia, 7 vezes por semana. Assisto de blockbuster a cinema sueco, vou a concertos e shows de rock, já no ramo das séries assisto de CW até HBO.

Comentários
Jackie – Crítica
sexta-feira, 12h05
Jackie – Crítica

Camelot Direção: Pablo Larraín Elenco: Natalie Portman, Peter Sarsgaard, Billy Crudup, John Hurt Roteiro: Noah Oppenheim Se houve alguma família que mais próxima esteve da realeza nos Estados Unidos, essa família foi a…

Ver Post
Five Nights At Freddy’s: O Jogo de Terror Mais Viciante do Momento
sexta-feira, 18h59
Five Nights At Freddy’s: O Jogo de Terror Mais Viciante do Momento

    Raramente aventuro-me a falar sobre jogos e games, porém, de vez em quando, encontro um jogo que apela ao meu lado infantil, fazendo com que eu perca parte…

Ver Post
Ressaca Lollapalooza 2015: Show Review – Jack White
terça-feira, 18h34
Ressaca Lollapalooza 2015: Show Review – Jack White

    Há uma certa cobrança de algumas pessoas para que o artista que se consagrou em uma banda, ao seguir carreira solo, continue tocando as mesmas músicas e com…

Ver Post
Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com