Quarteto Fantástico – Crítica

0 votes, average: 0,00 out of 50 votes, average: 0,00 out of 50 votes, average: 0,00 out of 50 votes, average: 0,00 out of 50 votes, average: 0,00 out of 5 (0 votes, average: 0,00 out of 5)
You need to be a registered member to rate this post.

 

Quarteto Fantástico

Direção: Josh Trank

Elenco: Miles Teler, Kate Mara, Michael B. Jordan e Jamie Bell

Nota: 1 de 5 estrelas


Se tivesse que descrever Quarteto Fantástico em uma só palavra, insosso seria a minha escolha.

Na última semana a produção dirigida por Josh Trank vem recebendo críticas, no mínimo, desencorajadoras para uma estreia que tinha esperanças em se tornar uma franquia de super-heróis à la Vingadores e X-Men.

Indo direto ao ponto, os dois maiores problemas desse filme foram com dois fatores que costumam ser o calcanhar de Aquiles em películas desse gênero: o roteiro e a edição. Não que as outras funções não sejam igualmente importantes, mas em geral os produtores sempre acabam investindo, e se preocupando mais, com os atores e a direção, deixando essas outras áreas bem vulneráveis, principalmente o roteiro, que acaba passando de mãos em mãos, consequentemente deixando a história muito truncada.

Em se tratando do roteiro, à princípio achei interessante a escolha de começarem a história na infância de Reed Richards, mas no final conclui que as duas cenas do passado poderiam ter sido encurtadas em favor de um maior desenvolvimento do segundo ato. Apesar de um começo promissor Quarteto Fantástico perdeu o fôlego muito rápido em meio a cenas desnecessárias, que ajudaram muito pouco a entender a motivação dos personagens.

Todos os elementos que tornam o Quarteto Fantástico reconhecível ao público ficaram faltando nesse reboot, ou foram exploradas superficialmente, como a relação entre Reed Richards e Sue Storm e a rivalidade entre Johnny Storm e Ben Grimm. O único relacionamento que os roteiristas se preocuparam em desenvolver, de alguma forma, foi a amizade entre Reed e Ben, mas até nesse ponto sinto dizer que eles erraram feio com diálogos curtos e previsíveis que não fizeram jus ao histórico desses personagens nos quadrinhos.

Quanto a montagem, algo que me incomodou bastante e que, definitivamente,  prejudicou o andar da carruagem, foi o uso constante de time jumps (saltos temporais) que deixaram um vácuo enorme nas jornadas desses personagens, tornando a narrativa ainda mais fragmentada. O exemplo mais gritante foi visto logo após os quatro terem adquirido seus poderes, grande parte da graça da história do Quarteto é ver como eles se adaptam ao mundo ao seu redor com essas novas habilidades, mas para os realizadores desse reboot essa evolução foi considerada descartável e isso acabou se mostrando uma péssima decisão considerando o resultado final.

 

Imagem: Vulture.com

Imagem: Vulture.com

 

Gastaram todo os milhões nos efeitos visuais e compraram uma peruca de 10 dólares para a Kate Mara usar nos reshoots.

 

A história é tão frustrante que nem os atores conseguiram redimir o filme, aliás, acredito piamente que no meio das gravações todas ali já deveriam saber que esse filme seria um desastre. É  única explicação para as atuações sem vida de Miles Teller e Kate Mara, dois atores que já mostraram serem muito capazes, mas que aqui preferiram tirar uma soneca de olhos abertos.

Tendo em vista as últimas notícias sobre o comportamento de Josh Trank no set de filmagens, e de como a relação entre o diretor e a Fox foi problemática, fica difícil apontar o dedo para um só culpado, como diz minha mãe, filho feio não tem pai, então acho difícil alguém admitir uma parcela de culpa. Portanto, sendo completamente diplomática peço com todas as minhas forças que tanto Josh Trank quanto a Fox nunca mais tentem adaptar o Quarteto Fantástico.

Para quem não sabe, ou não se lembra, essa é a terceira tentativa do estúdio em transformar o Quarteto Fantástico em uma franquia de sucesso. E depois de assistir a essa última investida o meu único conselho a Fox é: devolva os direitos à Marvel – ou, pelo menos, faça como a Sony, que entrou em um acordo com a “rival” para a produção em conjunto de mais filmes sobre o Homem-Aranha, seu mais rentável e popular personagem. É aquela velha história, se não pode derrotá-los, junte-se a eles. 😉

 

Sobre o Autor

Roberta Figueiredo
Formada em Comunicação Social, produtora independente de cinema, respira conhecimento e se alimenta de cultura. Ariana, teimosa, gosta de caminhar na praia e fazer maratonas no Netflix. ;-)

Comentários
Som de Segunda: A Força de Sharon Jones
segunda-feira, 19h13
Som de Segunda: A Força de Sharon Jones

Fiquei impressionado quando vi na TV pela primeira vez o clipe de “100 Days, 100 Nights”, especialmente pela força da mulher que estava cantando. Fui atrás e descobri que era…

Ver Post
Young Sheldon – Primeira Impressões
terça-feira, 17h34
Young Sheldon – Primeira Impressões

Cada vez mais as emissoras decidem apostar em material já conhecido, e com isso em mente Jim Parsons percebeu que era o momento em investir no personagem que o deixou…

Ver Post
E saiu a lista dos indicados ao Grammy 2015
sexta-feira, 16h43
E saiu a lista dos indicados ao Grammy 2015

A maior e mais tradicional premiação do mundo música, o Grammy, divulgou os indicados de sua 57ª edição. A cerimônia será realizada no dia 8 de fevereiro em Los Angeles,…

Ver Post
Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com