A Qualquer Custo – Crítica

2 votes, average: 4,50 out of 52 votes, average: 4,50 out of 52 votes, average: 4,50 out of 52 votes, average: 4,50 out of 52 votes, average: 4,50 out of 5 (2 votes, average: 4,50 out of 5)
You need to be a registered member to rate this post.

Onde Os Velhos Não Têm Vez

Direção: David Mackenzie

Elenco: Jeff Bridges, Chris Pine, Ben Foster

Roteiro: Taylor Sheridan

É necessário um tipo especial de pessoa para compreender a violência. Muitos conseguem entendê-la; conseguem lançar seu olhar frio sobre atos violentos e analisá-los com precisão cirúrgica. Mas pouquíssimos são os que a compreendem de verdade; pouquíssimos são aqueles que conseguem olhar para ela e saber exatamente o que leva uma pessoa a cometer brutalidades contra outras, contra semelhantes; enxergar o buraco negro dentro de cada um que é capaz de cometer tais brutalidades, que, inclusive, sente necessidade de cometê-las. Para se escrever um bom western, um autor precisa ter esse dom, precisa ser capaz de enxergar nos outros homens a besta selvagem que eles possuem dentro de si. Cormac McCarthy, por exemplo, tem esse dom; Taylor Sheridan também.

Talvez nenhuma outra pessoa tenha conseguido passar tão bem a visão de McCarthy para o cinema quanto Sheridan. James Franco tentou exaustivamente, mas, coitado, ele é fraco demais: ele é um intelectual de cidade, sem carapaça, eternamente sonhando com homens de fronteiras e suas mil aventuras nas planícies americanas, mas incapaz de entendê-los; ele não duraria um dia vivendo em condições selvagens. O próprio McCarthy também tentou entrar no meio cinematográfico com O Conselheiro do Crime, mas, por algum motivo, não deu certo: faltava nele a força brutal de suas obras, a inevitabilidade cruel da condição dos homens. Por muito tempo, as únicas coisas que os fãs de McCarthy tiveram foram o excelente Onde os Fracos Não Têm Vez—que é ótimo, apesar de não exatamente pelos mesmo motivos que fazem da obra original de McCarthy ser ótima—e o meia-boca A Estrada—que vale a pena por Viggo Mortensen, mas pouco além disso. Mas aí chegou Sheridan.

O ator já havia mostrado em seu primeiro filme como roteirista, Sicário: Terra de Ninguém, um entendimento extraordinário da simplicidade da violência—com ecos de Meridiano de Sangue em sua selvageria corriqueira. Em A Qualquer Custo, Sheridan evoca um outro tipo de violência: um tipo mais sutil, com menos sangue jorrando e crânios quebrando, mas um tipo tão devastador quanto. “Eu fui pobre minha vida inteira, é como uma doença passando de geração para geração,” diz Toby Howard (Chris Pine) em um dos melhores momentos do filme; em A Qualquer Custo, a violência desencadeada por Toby e seu irmão (Ben Foster) contra a rede de bancos Texas Midland é apenas a resposta natural à violência imposta pelo banco à família deles por anos. Uma violência discreta, que lentamente sugou a mãe deles por meses como um câncer, mantendo-a viva o suficiente para que ela pudesse apenas pagar o que devia e nada mais.

Mas mais do que apenas falar da violência dos grandes bancos contra pessoas comuns, A Qualquer Custo vai além: ele fala sobre mudança. A mudança coletiva da sociedade, a perda de um estilo de vida que já não existe mais; e a mudança pessoal de um homem, sua velhice e seu sentimento de impotência por passar o resto dos seus dias sentados no alpendre em frente à sua casa. É a inexorável brutalidade do tempo, que destrói tanto sociedades quanto pessoas, e que eventualmente irá esmagar até aqueles mais resistentes às mudanças, até aqueles que estão acostumados a servirem o mesmo prato de filé com batatas há quarenta e quatro anos.

No comando do filme, o diretor David Mackenzie traz o roteiro de Sheridan à vida, infundindo com imagens belíssimas e uma trilha desoladora—assinada por ninguém menos que Nick Cave. Mackenzie não só faz justiça ao roteiro, mas presta homenagem a ele, dando ampla oportunidade para ele brilhar. É raro quando um diretor dá esse tipo de espaço para um roteirista—e, inclusive, uma grande crítica que eu tive a Sicário foi que Villeneuve não deu a mesma oportunidade a Sheridan naquela ocasião. Desta vez, porém, a fotografia e direção de arte nunca tiram o foco da história que está sendo contada, mas apenas incrementam ela.

A Qualquer Custo também conta com atuações fantásticas de seu trio protagonista. Pine e Foster surpreendem em seus melhores papeis até o momento—o que, precisamos admitir, não é algo difícil—, mas é Jeff Bridges como o policial Marcus Hamilton quem realmente rouba a cena. Atuando desde que era um bebê, Bridges passou sua carreira inteira esperando pelo momento em que finalmente teria a chance de fazer aquilo que ele nasceu para fazer: interpretar homens velhos e cansados com a vida. Sua performance não apenas impressiona pela presença e charme, mas também encanta pelo silêncio e melancolia. Apesar de Hamilton ser, dos três protagonistas, aquele que menos revela sua história, Bridges consegue fazer ele ser o mais identificável dos três.

Mas apesar dos seus inúmeros pontos positivos, o maior mérito de A Qualquer Custo ainda está no roteiro de Sheridan. O filme justamente funciona porque tudo nele favorece o roteiro, e nada detrai dele. Não é sempre que aparece alguém capaz de olhar nos olhos de homens e enxergar o que eles escondem em seus corações. Quando isso acontece, é realmente preciso valorizar.

Sobre o Autor

Daniel Lomba
Um entusiasta de cultura em todas as suas formas.

Comentários
Balanço Rock in Rio 2015 – Final
segunda-feira, 17h42
Balanço Rock in Rio 2015 – Final

    Acabou. Depois de sete dias, o Rock in Rio enfim acabou. E nessa segunda semana vimos de tudo. Vimos a tão falada queda de Mike Patton; discurso emocionado…

Ver Post
Wes Craven, Lendário Diretor de Filmes de Terror, Morre aos 76 anos
domingo, 23h04
Wes Craven, Lendário Diretor de Filmes de Terror, Morre aos 76 anos

    Wes Craven, mais conhecido como o criador das populares franquias de terror A Hora do Pesadelo (A Nightmare on Elm Street) e Pânico (Scream), faleceu essa tarde devido…

Ver Post
Oscar 2017: Melhor Ator, Melhor Animação e Melhores Efeitos Visuais – Quem vai ganhar?
domingo, 11h27
Oscar 2017: Melhor Ator, Melhor Animação e Melhores Efeitos Visuais – Quem vai ganhar?

O OSCAR 2017 está chegando e nossos parceiros do canal CLUBE DO POP lançaram uma série de vídeos comentando algumas das principais categorias em competição. Nos vídeos abaixo, o apresentador…

Ver Post
Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com