Love: Além do Primeiro Encontro

0 votes, average: 0,00 out of 50 votes, average: 0,00 out of 50 votes, average: 0,00 out of 50 votes, average: 0,00 out of 50 votes, average: 0,00 out of 5 (0 votes, average: 0,00 out of 5)
You need to be a registered member to rate this post.

Love_critica_pipocaeguarana

 

O que eu amo no formato de seriado é que cada episódio permite explorar novas camadas de cada personagem construindo aos poucos uma pessoa que poderia ser de carne e osso, de tão complexa. Muitas séries deixam essa oportunidade escapar e repetem estereótipos ou congelam seus personagens naquelas mesmas características do piloto. A nova série da Netflix, Love, é um caso um pouco mais ousado, que tenta explorar o personagem além da máscara que ele usa para se mostrar ao mundo.

A história é a relação entre Gus (Paul Rust) e Mickey (Gillian Jacobs) – e as desventuras amorosas dos dois. O primeiro é um típico nerd hollywoodiano, frágil, simpático e com gostos peculiares. A segunda é uma jovem descolada, confiante e espontânea cuja vida saiu dos trilhos em algum momento. Sim, você já viu essa história antes. Eu também, inúmeras vezes. Porém, ao longo dos episódios, temos a chance de conhecer melhor Gus e Mickey e perceber o quão complexo realmente são e que nós nos precipitamos em julgá-los. Por isso acredito que a série não seja o “fetiche nerd” que alguns reviews insistem em dizer. Gus não é exatamente o cara legal e Mickey não é uma prom queen. Ambos estão à margem da sociedade em diferentes maneiras.

Love é uma série devagar, que demora para realmente começar, cheia de tempos mortos, ou melhor, de silêncios constrangedores. Nem tudo move a história para frente, principalmente no início da temporada, mas todos os detalhes são importantíssimos para moldar o tom do que estamos assistindo. Gradualmente, vemos as semelhanças, diferenças e necessidades entre os personagens principais e é adorável a quantidade de constrangimentos que eles passam diariamente, e como as mesmas situações estão próximas do nosso cotidiano.

Confesso que demorei para começar a assistir Love. Estava no fim da minha lista de prioridades e portanto as expectativas eram baixas. Love não é sobre nerds, crush e friendzone, como eu cheguei a acreditar. E por mais que haja semelhanças entre ela e Master of None – por abordarem nossa geração, conflitos diários e relacionamento – Love vai mais fundo nos personagens enquanto Master of None se aproveita das situações.

Gus e Mickey são imperfeitos juntos e muito provavelmente não teriam se conhecido sem a ajuda do acaso. A série foi criada por Paul Rust e sua esposa Lesley Arfin, juntos com Judd Apatow (Girls e O Virgem de 40 Anos) e mostra o amor como uma droga e o relacionamento como um trem destinado ao abismo. Aproveite a vista.

 

Sobre o Autor

Eric Bitencourt
Não vê todos os filmes que devia, não assiste todas as séries que devia e nem ouve todas as músicas que devia. Mas tenta. Formado em Cinema no Rio, Eric vive em Köln, na Alemanha, onde se dedica a estudar e escrever para novas mídias.

Comentários
Sonic Highways: Foo Fighters Confirma Novas Participações em Série e Disco
sexta-feira, 11h55
Sonic Highways: Foo Fighters Confirma Novas Participações em Série e Disco

O novo álbum do Foo Fighters, Sonic Highways, provavelmente é um dos mais esperados do ano. Com lançamento marcado para 10 de novembro, a banda anunciou na quarta-feira (10) algumas…

Ver Post
Permanência – Crítica
domingo, 7h36
Permanência – Crítica

  O filme Permanência, primeiro longa-metragem do cineasta Leonardo Lacca, conta a história de Ivo (Irandhir Santos), um fotógrafo de Recife que vai a São Paulo fazer a primeira exposição da…

Ver Post
Twin Peaks: A Saga Continua
quarta-feira, 17h12
Twin Peaks: A Saga Continua

A vida de fãs de Twin Peaks não é fácil. A série da década de 90, criada por David Lynch e Mark Frost, sempre está nas listas de melhores produções…

Ver Post
Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com