Jackie – Crítica

1 vote, average: 4,00 out of 51 vote, average: 4,00 out of 51 vote, average: 4,00 out of 51 vote, average: 4,00 out of 51 vote, average: 4,00 out of 5 (1 votes, average: 4,00 out of 5)
You need to be a registered member to rate this post.

Camelot

Direção: Pablo Larraín

Elenco: Natalie Portman, Peter Sarsgaard, Billy Crudup, John Hurt

Roteiro: Noah Oppenheim

Se houve alguma família que mais próxima esteve da realeza nos Estados Unidos, essa família foi a Kennedy. E Jacqueline Kennedy Onassis foi sua própria princesa-consorte, a verdadeira figura da beleza e elegância; uma mulher cuja simples menção do nome já trazia imagens de sofisticação e refinamento. Mulheres tendem a ser reduzidas assim: enquanto homens ordinários são exaltados por seus feitos extraordinários, elas são eternamente preservadas como belos apoios à margem da história.

Mas mulheres ordinárias também podem realizar feitos extraordinários. Mais do que um símbolo de elegância e porte, Jacqueline Kennedy Onassis foi uma mulher real que precisou enfrentar problemas quase inacreditáveis: o assassinato de seu marido, um dos homens mais poderosos do mundo, ao seu lado, na frente de toda a sociedade; a reação da mídia e a preservação do legado dele como presidente; a mudança repentina de uma casa que nunca pertenceu a ela, mas que ela já havia se acostumado a chamar de lar; os filhos pequenos—uma preocupação e um encargo sempre relegados à mulher—e o luto de uma família e de uma nação. Essa Jacqueline não foi uma figura de sofisticação, sempre impecavelmente vestida e arrumada; essa Jacqueline sujou as suas mãos e seu vestido de sangue e mesmo assim foi à luta contra múltiplos inimigos—e contra um inimigo em específico, um poderoso e temível adversário: a história e como ela julgaria sua família.

É essa mulher que o incrível diretor Pablo Larraín—de O Clube, No e Neruda—e o roteirista Noah Oppenheim querem mostrar em Jackie. Pegando o período imediatamente após o assassinato de John F. Kennedy, o filme acompanha a primeira-dama enquanto ela precisa lidar com todos os problemas e, ainda, manter a pose perante toda a nação. Ao mesmo tempo, o filme nos presenteia com uma Jacqueline incrivelmente real, desarmada de todas as regras de etiqueta e, mesmo assim, sempre consciente de que papel precisa interpretar para a mídia. As cenas da entrevista de Jacqueline para um repórter (Billy Crudup) e de suas conversas com um padre (John Hurt) nos mostram uma mulher fragilizada, mas ciente da necessidade constante de passar a dose certa de força; uma mulher que não apenas cresceu em um ambiente onde a imagem é tudo, mas abraçou tão completamente essa noção a ponto de se tornar a encarnação física do conceito.

Larraín entende isso perfeitamente: o filme não apenas se preocupa em desmistificar Jackie, mas também, paradoxalmente, em fortalecer sua imagem. Para isso, o diretor é perfeito: ele utiliza com segurança o seu já conhecido recurso de focar a câmera diretamente no ator e de meticulosamente traçar seus movimentos. Tudo, desde a leve virada de Crudup ao sair do carro, parece completamente coreografado por Larraín. E para ajudá-lo a construir seu imaginário, o diretor ainda conta com os impecáveis figurinos de Madeline Fontaine—e, afinal, não poderia ser diferente: em um filme sobre Jackie, figurinos impecáveis são quase obrigatórios—e a incrível e inesperada trilha sonora de Mia Levi, ambos merecidamente indicados ao Oscar. A trilha pesada e, ao mesmo tempo, leve de Levi complementa tão bem as cenas do filme que parecem ter nascido organicamente das imagens. Como se as próprias imagens pudessem cantar, e esse fosse o som de sua voz. É a trilha perfeita para o filme de Larraín, que trabalha sempre tão bem com opostos e paradoxos.

Mas, obviamente, todo o trabalho do diretor não teria tanto impacto se não fosse pela performance de Natalie Portman. A atriz, que geralmente me irrita em algumas de suas escolhas criativas, está muito bem no filme; sua performance é forte e possui uma certa espontaneidade pensada. É estranho imaginar isso, mas Jackie é todo assim: o filme parece ter sido excessivamente pensado para ser natural—o que, é claro, tira grande parte da sua naturalidade. Portman é uma atriz meticulosa e ao se juntar com um diretor meticuloso, como é o caso de Larraín, ela criou um papel que parece agradar pelo esforço empregado na sua construção; e talvez isso ajude a explicar o grande reconhecimento crítico que ela vem obtendo. E, claro, o foco constante no rosto do ator sempre cai bem com a Academia (que o diga Anne Hathaway em Os Miseráveis).

Ao mesmo tempo que a grande força de Jackie está na maneira precisa como ela paradoxalmente tenta desconstruir imagens e criar heróis, esse é o seu ponto fraco. Aliás, nada mais adequado para esse filme do que seu ponto forte ser também seu calcanhar de Aquiles. O problema de se fazer algo extremamente meticuloso é que a sua execução precisa ser perfeita para suprir a falta de emoção. E Jackie pode até ser um filme muito bom, mas não é um filme perfeito: nem todas as suas cenas são bem colocadas, nem todas as suas sequências são bem amarradas. Ao final, você percebe as rachaduras na parede que o diretor tentou esconder com uma camada a mais de reboco e a sensação que dá é que a casa perfeita dos seus sonhos—ou a Camelot encantada da sua infância—pode ruir a qualquer momento.

Sobre o Autor

Daniel Lomba
Um entusiasta de cultura em todas as suas formas.

Comentários
Aquecimento Foo Fighters – Top 10 Clipes: #9
sábado, 21h49
Aquecimento Foo Fighters – Top 10 Clipes: #9

  O Foo Fighters está prestes a completar 20 anos mas, para alegria dos fãs, a banda está apagando essas velinhas fazendo a sua paixão pela música arder como nunca.…

Ver Post
Shows Circuito Banco do Brasil no Rio de Janeiro – Kings of Leon
sexta-feira, 14h03
Shows Circuito Banco do Brasil no Rio de Janeiro – Kings of Leon

      Começo esse post esclarecendo que farei o relato do show de uma perspectiva muito pessoal pois, como fã, tenho opiniões mais sedimentadas do que as de alguém…

Ver Post
Elton John Faz Show Protocolar, Mas Emociona no Rock in Rio
segunda-feira, 17h51
Elton John Faz Show Protocolar, Mas Emociona no Rock in Rio

  É desnecessário discorrer sobre Elton John. O sucesso de sua carreira, que compreende mais de cinquenta anos e dezenas de hits, fala por si só. Durante os anos, John…

Ver Post
Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com