Feud: Bette and Joan – Crítica

1 vote, average: 4,00 out of 51 vote, average: 4,00 out of 51 vote, average: 4,00 out of 51 vote, average: 4,00 out of 51 vote, average: 4,00 out of 5 (1 votes, average: 4,00 out of 5)
You need to be a registered member to rate this post.

Ryan Murphy não satisfeito em ter criado nos últimos anos três séries antológicas (American Horror Story, Scream Queens e American Crime Story), em 2017 ele decidiu apostar em Feud. O projeto tem como premissa abordar disputas entre personagens reais já conhecidos pelo grande público.

A primeira temporada teve como foco a eterna hostilidade mútua entre as atrizes americanas Joan Crawford e Bette Davis. A rivalidade entre elas ficou mais notória após as duas protagonizarem o filme O Que Terá Acontecido Com Baby Jane?.

Com Feud, Murphy teve a oportunidade de trabalhar novamente com a sua musa mór, Jessica Lange. Ela ficou responsável por interpretar Crawford, e consegue capturar a áura da personagem lindamente. O papel da sua rival ficou com Susan Sarandon, e sua versão de Davis é perfeita, ela incorporou todos os trejeitos e expressões corporais e isso fica claro durante suas cenas como Baby Jane Hudson.

Esta produção tem como proposta mostrar os dois lados dessa famosa batalha que ocorria nos bastidores de Hollywood na década de 60 e peca bastante neste quesito. Este problema se deve, em grande parte, ao favoritismo do criador da série por uma das protagonistas. Jessica fica claramente com as melhores cenas e é o foco da maioria dos episódios. Eles decidiram representar uma Joan mais vítima do sistema e não mostrou muito da sua relação conturbada com as suas filhas, tópico que até foi transformado em um livro polêmico, Mommie Dearest.

Outro defeito dos roteiros é que eles não foram costurados como um todo. Todos são até bons sozinhos, mas falta um elo entre eles, algo que atraia o público a assistir o próximo episódio.

O episódio dedicado ao icônico Oscar de 1963 é de longe a obra prima desta primeira temporada. A direção de Ryan Murphy está precisa, as atuações magnificas, a edição de Andrew Groves está dinâmica. Mas é preciso ressaltar o design de produção de Judy Becker, a equipe reconstruiu com muito primor os detalhes que envolvem a noite mais importante para o mundo cinematográfico.

A escolha do elenco também foi outro ponto alto de FEUD, além de Sarandon e Lange, Jackie Hoffman (Mamacita), Judy Davis (Hedda Hopper), Stanley Tucci (Jack Warner), Alfred Molina (Robert Aldrich) e Alison Wright (Pauline Jameson) também merecem reconhecimento por suas atuações. Uma vez que tem um elenco tão famoso, algumas pessoas foram mal aproveitadas como Kathy Bates (Joan Blondell) e Sarah Paulson (Geraldine Page).

Sobre o Autor

Igor Miranda
Consumidor de cultura 24 horas por dia, 7 vezes por semana. Assisto de blockbuster a cinema sueco, vou a concertos e shows de rock, já no ramo das séries assisto de CW até HBO.

Comentários
O Oscar Não Acabou: 4 Estreias Imperdíveis
quarta-feira, 22h02
O Oscar Não Acabou: 4 Estreias Imperdíveis

      A cerimônia do Oscar passou e os prêmios já foram entregues, mas muitos dos indicados ainda não estrearam no Brasil. Isso acontece todo ano, já que muitos…

Ver Post
Os 5 Melhores Filmes de 2015
segunda-feira, 12h32
Os 5 Melhores Filmes de 2015

  2015 foi um ano curioso para o cinema: sendo bem direto, a maioria dos lançamentos não agradou. O desgaste criativo em Hollywood ficou excepcionalmente evidente, com uma miríade de…

Ver Post
Indicações ao Oscar 2015: As Surpresas e o Que Ficou de Fora
quinta-feira, 22h39
Indicações ao Oscar 2015: As Surpresas e o Que Ficou de Fora

  Saiu hoje a lista dos indicados ao Oscar 2015 e como já era esperado houve algumas surpresas, desde a omissão de Uma Aventura Lego na Categoria de Melhor Filme…

Ver Post
Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com