Em Ritmo de Fuga – Crítica

3 votes, average: 4,00 out of 53 votes, average: 4,00 out of 53 votes, average: 4,00 out of 53 votes, average: 4,00 out of 53 votes, average: 4,00 out of 5 (3 votes, average: 4,00 out of 5)
You need to be a registered member to rate this post.

Velocidade Máxima

Direção: Edgar Wright

Elenco: Ansel Elgort, Kevin Spacey, Jon Hamm, Jamie Foxx, Lily James

Roteiro: Edgar Wright

Você já se pegou jogando GTA e pensando: “Poxa, esse jogo bem que daria um belo filme”? Se sim, então você está com sorte, porque aparentemente o diretor Edgar Wright pensou a mesma coisa! Ok, talvez seja um exagero afirmar isso, mas é difícil não se lembrar do célebre jogo de videogame durante as alucinantes sequências de perseguição de carros de Em Ritmo de Fuga.

O filme já começa com uma dessas sequências, acertando o espectador em cheio antes dele ter tempo de se acomodar na cadeira do cinema: após um assalto a banco, é o trabalho de Baby (Ansel Elgort) tirar os seus comparsas o mais rápido possível da cena do crime e despistar qualquer viatura policial que ele encontrar pelo caminho. Baby é uma espécie de prodígio ao volante, um ás sobre rodas que domina a direção desde o tempo que tinha tamanho suficiente para atingir o pedal do acelerador. Seus talentos são largamente aproveitados por Doc (Kevin Spacey), um gênio do crime que Baby tentou roubar uma vez, e com o qual ele tem uma dívida que precisa ser paga desde então. Porque a verdade é que Baby abomina o mundo do crime: ele sem dúvida preferiria uma rotina tranquila, sem as ambiguidades morais da sua atual linha de serviço; uma vida, talvez, vivida ao lado de uma jovem bonitinha (Lily James), rumando a oeste ao pôr-do-sol, em seu carro conversível, sem dinheiro, mas cheio de sonhos, enquanto ouve uma infinidade de sucessos antigos no seu iPod.

Pois se tem algo que Baby—e seu criador, o diretor Edgar Wright—não consegue dispensar é uma boa música cheia de tons sentimentais. Wright usa a música para guiar a história de Baby, assim como o protagonista usa a música para guiar seus carros de fuga. Todas as ações da personagem são em perfeita sincronia com a batida da trilha sonora, o que deixa Em Ritmo de Fuga com um leve aspecto ensaiado. Não que isso seja um detrimento: Em Ritmo de Fuga é um filme de ação, e eles são especialmente conhecidos por suas coreografias espantosas e sua falta de naturalidade. Mas o que torna Em Ritmo de Fuga especialmente interessante é o quanto ele tenta fugir dos limites do seu próprio gênero, aproximando o tom vertiginoso da ação ao tom meloso do musical—e se as personagens não chegam propriamente a cantar em nenhum momento do filme, elas ao menos acompanham a batida das fitas remixadas por Baby.

Wright é um diretor extremamente meticuloso e não costuma deixar pontas soltas em seus filmes. Além disso, ele é um grande conhecedor e amante de cultura pop, à qual ele continuamente presta homenagem. Mas Wright, como os melhores idealizadores do cinema, sabe usar extensa bagagem cultural a seu serviço, sem necessariamente ficar preso a serviço dela. Em meio a tantas produções que usam referências gratuitamente, apenas para apelar para alguma sensibilidade do público, é reconfortante ver como Em Ritmo de Fuga usa suas referências para conduzir à trama, e não para conduzir a trama. Quase todo o desenrolar dos eventos do filme pode ser vislumbrado na sequência de cenas a qual Baby e seu pai adotivo (CJ Jones) assistem em casa, mas isso é feito de maneira não óbvia.

O filme também tem um grande trunfo no seu protagonista: assim como seu personagem, Elgort consegue conduzir a trama de maneira segura e confiante. Wright desfaz a figura do herói-de-filme-de-ação bronco e machão; Baby é um herói para os tempos modernos, sensível, sem músculos, e com carinha de bebê. Assim, Wright não apenas reintroduz uma figura já familiar para ele—vide Michael Cera em Scott Pilgrim Contra o Mundo—, como também se mantém junto da tendência atual de heróis-de-filme-de-ação adolescentes, como Taron Egerton em Kingsman e Tom Holland no novo Homem-Aranha.

Mas Em Ritmo de Fuga também tem os seus problemas: Wright constrói um filme divertido e empolgante, mas ele é extremamente sanitizado. Não somente ele é esteticamente mais limpo e padronizado do que os primeiros filmes de Wright, mas também a ausência de uma marca política ou qualquer tipo de comentário social colocam o filme em um estranho tipo de vácuo temporal. Talvez Wright estivesse tentando usar isso para deixar o filme com um aspecto mais atemporal, mas o problema é que essa estratégia pode facilmente conduzir o filme para a irrelevância. E o que acaba marcando mais do que qualquer tipo de posicionamento de Wright é o quanto ele se esforça para justamente não assumir posicionamento nenhum. Baby é um jovem órfão branco que foi criado por um homem surdo e negro, mas os efeitos disso nele não são marcados. É estranho ver como Wright sai do seu caminho para colocar uma relação filial inter-racial apenas para não abordar isso de nenhuma maneira—direta ou, até, indiretamente. Com isso, por mais que seja divertido, moderno e empolgante, Em Ritmo de Fuga corre o risco de não deixar uma marca maior do que suas duas horas de duração.

Sobre o Autor

Daniel Lomba
Um entusiasta de cultura em todas as suas formas.

Comentários
Ator de “The Walking Dead” Será “O Justiceiro” em “Demolidor”
terça-feira, 19h09
Ator de “The Walking Dead” Será “O Justiceiro” em “Demolidor”

  O ator Jon Bernthal, mais conhecido como o maluquinho Shane de The Walking Dead, será O Justiceiro na próxima temporada da série Demolidor, exibida exclusivamente pela Netflix. Pra quem não…

Ver Post
Replay Pipoca: Os Prêmios Grammy 2015 – Parte 3
domingo, 21h52
Replay Pipoca: Os Prêmios Grammy 2015 – Parte 3

  A terceira e última parte da nossa cobertura dos Grammys começa com o momento mais emocionante da premiação. Shia LaBeouf tomou o palco e surpreendeu ao trocar o teleprompter…

Ver Post
Dica da Semana: Outlander
quinta-feira, 17h27
Dica da Semana: Outlander

O que falar sobre essa série que mal conheço, mas já considero pacas? Outlander, baseado no livro homônimo de Diana Gabaldon, tem todos os elementos de uma história de sucesso,…

Ver Post
Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com