Crítica de Série: Better Call Saul (Sem Spoilers)

0 votes, average: 0,00 out of 50 votes, average: 0,00 out of 50 votes, average: 0,00 out of 50 votes, average: 0,00 out of 50 votes, average: 0,00 out of 5 (0 votes, average: 0,00 out of 5)
You need to be a registered member to rate this post.

 

Crítica Better Call Saul

 

Se você é daqueles que acha que um raio não cai duas vezes no mesmo lugar, diga isso para Vince Gilligan. Better Call Saul estreou em 8 de Fevereiro nos EUA e bateu o recorde de estreia a cabo mais vista até hoje. Não é à toa: apesar de ser uma prequel de Breaking Bad, a série que está disponível no Brasil através do Netflix é independente, com seus méritos próprios – exatamente como o protagonista da história quer ser.

James McGill, que mais tarde se tornará Saul Goodman, luta para montar sua clientela como advogado e ganhar o respeito de uma grande firma de advocacia, da qual seu irmão enfermo é sócio. Na primeira temporada, vemos os passos que começaram a fazer desse advogado criminalista um advogado criminoso.

Os acontecimentos mostrados em Better Call Saul se desenrolam seis anos antes do advogado protagonista conhecer Walter White. Porém, logo nos primeiros episódios, já aparecem personagens de Breaking Bad em histórias que condizem e expandem o universo apresentado em uma das séries de maior sucesso de todos os tempos. Entretanto, quem espera ver mais do mesmo pode se decepcionar, já que os tons das duas narrativas são completamente diferentes.

A série sobre o professor de química que passa a fabricar metanfetamina é um drama com pitadas sutis de humor negro, mas a que mostra as origens do advogado dele é uma dramédia que consegue oscilar entre os extremos com uma maestria notável, inclusive dentro de uma mesma cena. Parte desse feito deve-se não só ao talento dos roteiristas, mas também à atuação sensível e eficaz de Bob Odenkirk, igualmente competente nos dois lados da complexidade dramática do personagem principal. O elenco inteiro consegue achar a comédia sem tentar ser engraçado e o drama sem tentar ser pesado, mas simplesmente acentuando as contradições e situações que vêm naturalmente dos perfis bem específicos dos personagens.

Apesar das gritantes diferenças entre as trajetórias dos protagonistas, de certo modo, a série-mãe e seu spinoff se complementam. A questão das relações familiares versus as de trabalho ainda se apresenta com bastante relevância. Na verdade, Saul se configura como um híbrido de série procedimental, através dos casos profissionais, e serializada, pela questão da evolução gradual dos personagens. Além disso, ambas as histórias conseguem escapar incrivelmente do maniqueísmo. Esse universo de muitas áreas cinzentas, onde nada é preto e branco, revela que o sonho americano de conseguir chegar ao topo através somente do trabalho e do esforço, não importando sua origem, é uma grande mentira. Saul é quase uma releitura moderna e menos drástica de Laranja Mecânica, no sentido de que fala sobre um homem tentando fazer o certo, enquanto o mundo que prega dar todas as chances para ele na verdade exige e espera que ele continue cometendo os mesmos erros. Por isso, Better Call Saul mostra que a justiça, muitas vezes, é a ética que pode existir dentro da malandragem, assim como a injustiça pode vir de quem menos se espera. E esse mundo que pode emanar tragédia e comédia com a mesma fluidez e facilidade é riquíssimo – assim como constantemente torcemos para o protagonista se tornar.

Sobre o Autor

Anna Israel
Formada em Comunicação Social – Cinema pela PUC-Rio, tive a sorte de fazer intercâmbios para a UCLA, NYU e Cornell nos EUA, de conhecer alguns dos meus grandes ídolos e de ganhar prêmios com meus trabalhos. Para viver, só preciso de cinema, TV e música. Mas boas horas de sono e chocolate também vêm a calhar.

Comentários
Aliados – Crítica
quinta-feira, 17h12
Aliados – Crítica

O Espião Que Me Amava Direção: Robert Zemeckis Elenco: Brad Pitt, Marion Cotillard, Jared Harris, Lizzie Caplan Roteiro: Steven Knight Em que momento Brad Pitt desistiu de vez de sua carreira de ator? Após…

Ver Post
Moonlight: Sob a Luz do Luar – Crítica
terça-feira, 12h26
Moonlight: Sob a Luz do Luar – Crítica

Azul é a Cor mais Quente Direção: Barry Jenkins Elenco: Trevante Rhodes, André Holland, Naomie Harris, Mahershala Ali Roteiro: Barry Jenkins Não é fácil ser azul. E é ainda pior ser azul quando…

Ver Post
Quinta da Nostalgia : O Mundo Sem Lauren Bacall
quinta-feira, 19h57
Quinta da Nostalgia : O Mundo Sem Lauren Bacall

  O ano de 2014 foi bastante conturbado no cenário artístico. Além da perda precoce do ator Robin Williams, no dia 12 de Agosto de 2014, o mundo também se…

Ver Post
Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com